Connection Information

To perform the requested action, WordPress needs to access your web server. Please enter your FTP credentials to proceed. If you do not remember your credentials, you should contact your web host.

Connection Type

Audiência na Câmara dos Deputados debate violência contra mulheres presas

 em Mulher Encarcerada

Nesta terça-feira, a Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara dos Deputados realizou uma audiência pública para discutir a violência de gênero nos presídios femininos do Brasil. O debate foi proposto pela deputada Erika Kokay (PT-DF).

A irmã Petra Silva, da coordenação nacional da Pastoral Carcerária foi uma das convidadas para o debate. Durante sua fala, ela expôs fotos de visitas a presídios femininos que agentes da PCr haviam visitado. “Hoje estou falando por essas mulheres presas, que não tem a chance de falar e mostrar suas condições”.

As fotos mostravam celas quentes com uma pequena fresta de ar, mulheres com diversas picadas de baratas e banheiros que eram apenas um buraco no chão.

audiencia petraIr. Petra criticou a ideia de melhorar os presídios, pois “nós não acreditamos que o encarceramento reeduca, socializa. Prisão é prisão, estar dentro de uma cela já é violência”.

Em relação à questão da maternidade no cárcere, Ir. Petra mostrou fotos de crianças e bebês dentro das celas com as mães. “A maternidade no presídio é uma farsa. É uma pena perpétua para a criança, ela vai ter o cárcere marcado nela a vida toda”.

Por fim, a coordenadora da PCr criticou a atuação do Judiciário em não conceder prisão domiciliar às mulheres que estão grávidas ou que são mães. “A consequência do encarceramento é muito mais forte para as mulheres do que para os homens.  Nós temos muitas leis, boas leis, mas o cumprimento delas é falho. Para mim um dos maiores co autores da situação dos presídios é o judiciário. Juízes e promotores que não autorizam a prisão domiciliar são co autores das torturas que acontecem atrás das grades”.

 

Recommended Posts

Deixe um comentário