Connection Information

To perform the requested action, WordPress needs to access your web server. Please enter your FTP credentials to proceed. If you do not remember your credentials, you should contact your web host.

Connection Type

PCr realiza segunda etapa de formação em Justiça restaurativa

 em Justiça Restaurativa

Santa CatarinaPara incentivar a justiça restaurativa em Santa Catarina, a Pastoral Carcerária (PCr) ofereceu a segunda etapa de capacitação da primeira turma de candidatos a facilitadores da Escola Perdão e Reconciliação (ESPERE), na cidade de Mafra, entre 6 e 9 de maio.

A Irmã Imelda Maria Jacoby, coordenadora da PCr no Rio Grande do Sul, apresentou os módulos do programa ESPERE. Os 26 agentes da pastoral, das dioceses Joinville, Chapecó, Florianópolis e Lages, também recapitularam os fundamentos da justiça restaurativa apresentadas na primeira etapa, realizada em outubro de 2013.

ESPERE é um processo pedagógico em que participantes reinterpretam um acontecimento doloroso de seu passado, recente ou antigo, para superar a dor e os sentimentos de rancor e vingança.

Os facilitadores guiam o grupo de até 20 pessoas em dois momentos. O primeiro é dedicado ao processo de perdão (seis módulos) e o segundo, ao de reconciliação (quatro módulos).

Enquanto ainda não podem atuar como facilitadores, os agentes “assumiram a missão de divulgarem em suas comunidades, nos presídios, trabalho, escola e a praticar os ensinamentos aprendidos no curso de fundamentos da Justiça Restaurativa”, explicou a agente de comunicação da PCr, Aline Ribeiro de Mello.

Depois de concluírem a capacitação de 80 horas/aula, eles passarão por uma avaliação de perfil antes de receberem habilitação de facilitadores do programa. A terceira etapa ainda não tem data prevista.

Essa é uma das estratégias adotadas pela Pastoral Carcerária em apoio à justiça restaurativa, que consiste na mediação do conflito entre vítima e ofensor. No mesmo ambiente, com segurança jurídica e física, com auxílio de um mediador, ambos buscam uma solução aceitável para a reparação dos danos causados.

A CNBB, em 2014, pediu, através de uma nota, que as autoridades levassem “a sério a justiça restaurativa, proposta pela ONU, e a Escola de Perdão e Reconciliação (ESPERE), defendida pela Pastoral Carcerária, como alternativas à política de encarceramento em vigor no país”. Na ocasião, a entidade avaliou que o sistema carcerário está falido e apontou a urgência de uma reforma.

 

Nova turma

A Pastoral Carcerária divulgou o início de uma nova capacitação do programa ESPERE. A primeira etapa está prevista para os dias 21 a 25 de outubro de 2015 em local a ser definido.

 

Fonte: Agência CNBB Sul 4

Recommended Posts

Deixe um comentário