Connection Information

To perform the requested action, WordPress needs to access your web server. Please enter your FTP credentials to proceed. If you do not remember your credentials, you should contact your web host.

Connection Type

Padre Gianfranco, à Rádio Vaticano: ‘A Justiça Restaurativa tenta romper o ciclo de violência’

 em Justiça Restaurativa

Padre GianfrancoUm sinal de esperança para uma sociedade marcada pela violência e pelo punitivismo. Esse é o entendimento do Padre Gianfranco Graziola, vice-coordenador nacional da Pastoral Carcerária, sobre a temática, conforme expressou em entrevista à rádio Vaticano.

CLIQUE AQUI E OUÇA A ÍNTEGRA DA ENTREVISTA

“Como Pastoral Carcerária, questionamos a justiça punitivista que existe, elitista. Hoje em dia, estamos trabalhando com outras entidades a Justiça Restaurativa, que não é a mediação de conflito. A Justiça Restaurativa enfrenta o conflito, seja de quem cometeu o crime, seja de quem é objeto deste crime. Coloca-os frente a frente para saber o que realmente aconteceu, quais são as causas. A Justiça de hoje não se preocupa com as causas, só que houve um fato e que é preciso punir e condenar. Já a Justiça Restaurativa envolve ofensor e ofendido, ajudando a criar uma nova imagem da pessoa que é considerada um malandro, um bandido. Com a Justiça Restaurativa, temos que romper esse ciclo de violência, encontrar medidas que ajudem a restabelecer relações e, sobretudo, criar uma nova pessoa e enfrentar os problemas”, afirmou Padre Gianfranco.

Ainda segundo o vice-coordenador nacional da Pastoral Carcerária, a Justiça Restaurativa é um sinal de esperança, que tem sido difundido pela Pastoral e há até um grupo de trabalho sobre o assunto no Supremo Tribunal Federal (STF), embora sobre este, haja ressalva do entendimento que dá à Justiça Restaurativa.

“Já existem juízes com o nosso entender sobre Justiça Restaurativa, de uma justiça que não é vertical, mas horizontal, onde a comunidade entra, se expressa e assume a sua responsabilidade, não a deixa para um grupo, para uma pessoa. Como sociedade, temos que começar a nos responsabilizarmos. A Justiça Restaurativa também é para nós, agentes da Pastoral Carcerária, porque nós temos a Escola de Perdão e Reconciliação, a Espere… É um programa longo e desafiador, mas é o caminho”, comentou.

Preocupação com o novo governo

Na entrevista, Padre Gianfranco também falou que o sistema prisional brasileiro segue caótico. “A situação continua, como sempre, dramática. Não temos grandes mudanças. Temos sempre os perigos da privatização do sistema prisional, temos a questão da mulher, temos as graves questões do sistema penitenciário que continua na mesma e que temos medo que vai piorar ainda mais, a nível de Supremo Tribunal Federal, com a mudança da Presidência da República. Depois, tem a questão do mecanismo contra a tortura, do qual a Pastoral Carcerária é um dos autores, mas que está indo para outros caminhos, vamos ver o que vai acontecer”, afirmou, ressaltando ainda que “mais uma vez a ONU, através do seu representante, disse que o Brasil continua torturando de várias maneiras, não apenas espancando, mas também torturando com o sistema em si. O sistema em si é uma tortura”.

Fonte: Rádio Vaticano

 

FAÇA PARTE DA PASTORAL CARCERÁRIA

Últimos posts

Deixe um comentário