Connection Information

To perform the requested action, WordPress needs to access your web server. Please enter your FTP credentials to proceed. If you do not remember your credentials, you should contact your web host.

Connection Type

Vice-coordenador da PCr participa de reunião preparatória do Grito dos Excluídos

 em Igreja em Saída

Grito dos ExcluidosOs coordenadores estaduais do Grito dos Excluídos/Excluídas reuniram-se em São Paulo, em 26 de abril, para o 17º encontro anual de organização do Grito. Eles vieram de dez estados para um momento de expressão da construção coletiva que, parte desde o lema, a cada ano construído e trabalhado por varias entidades eclesiais e movimentos, organismos da sociedade que há 21 anos provocaram a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) para que a celebração do Dia da Pátria, 7 de setembro, tivesse outro olhar, o olhar profético que superasse as conjecturas e interesses de parte, o militarismo e que olhasse de verdade para o brasileiro, a brasileira e as suas reais necessidades.

Em 2015, a conjuntura nacional e a própria Campanha da Fraternidade convidam que todos na Igreja olhem para a sociedade, seus desafios e se coloquem em atitude profética de serviço. Foi partindo da visão profética de Dom Helder Câmara, e dos princípios por ele dados “unir os generosos e as generosas, desmentir a mídia, direitos básicos, as diferentes formas de violência, função do Estado, participação politica, a rua é o lugar”, que nasceu o lema do grito que faz muito anos tem como tema: a vida em primeiro lugar.

“Começamos perguntando-nos: ‘Que País é este?’ E as respostas vem do dia a dia, das periferias, onde sobrevivem as famílias pobres, das juventudes que sofrem as retaliações e as exclusões de uma sociedade elitista e seletiva, dos negros e periféricos vítimas das drogas e do sistema, encarcerados e esquecidos nos porões e pocilgas humanas do perverso sistema carcerário, dos operários a quem aos poucos e subtilmente são retirados seus direitos, dos idosos mendigando o direito a viver com dignidade os últimos dias de sua vida”, afirma o Padre Gianfranco Graziola, vice-coordenador nacional da Pastoral Carcerária.

De acordo com o Padre, “Esse País que mata a gente, onde a corrupção, a violência, as falsas seguranças, o militarismo, o individualismo, o egoísmo, o personalismo, a punição, a vingança, o mais forte, xenofobia, racismo, tomaram o lugar dos grandes valores da vida: solidariedade, honestidade, transparência, coletividade, bem comum, colaboração, respeito e valorização dos diferentes, transformando o projeto de vida e de futuro num projeto de morte, numa cultura que acusa, pune e transforma o ser humano em mercadoria”.

“E em tudo isso a mídia mente, colocada ao serviço do capital, do marketing, refém e propriedade particular de famílias patriarcais, embora sendo concessão pública, ela se torna o veiculo da alienação, da desinformação, de massificação. Ela cria e constrói nas pessoas um universo irreal, fantasioso, inconsistente onde o outro, o diferente, quem pensa diversamente, quem exerce sua cidadania, seu direito, é criminalizado, condenado, espezinhado. Hoje em dia, ela é que governa, determina e dita os padrões de vida, é justiceira, hipócrita, moralista e assassina”, observa o Sacerdote.

“Por isso nos consome, faz-nos escravos do consumismo, obriga-nos a ter um único pensamento, o único olhar, um único jeito de ser, e por isso não admite as diferenças, não aceita um País pluriétnico e pluricultural, onde as diversidades são riqueza, as tradições culturais constituem um mosaico único e precioso para a humanidade, os povos nativos, seus conhecimentos, visão da vida como bem viver, como regra e orientação de vida”, prossegue o Padre Gianfranco.

“Eis porque mais uma vez o Grito, chegado à maior idade não se pode calar, mesmo não sendo o evento das grandes massas é, porém a fala de quem não se deixou engolir pelo desespero do mundo, pelos ventos de morte e destruição que usando as asas da mídia nos querem roubar a esperança, querem tirar de nós o profetismo que a cada ano que passa se torna mais forte e necessário e que este ano mais uma vez gritará: Vida em primeiro lugar para depois colocar a questão: Que País é este que mata a gente, a mídia mente e nos consome?”, sintetiza o Padre.

Por fim, o vice-coordenador nacional da Pastoral Carcerária lembra que “a resposta todos nós a sabemos, agora é necessário unir os generosos e as generosas, defender os direitos básicos, desmentir a mídia chamando o Estado para as suas responsabilidades com a politica das reformas e fazendo da rua o palco, o caminho de uma nova nação, de um novo país, de um novo Brasil”.

Recommended Posts

Deixe um comentário