Connection Information

To perform the requested action, WordPress needs to access your web server. Please enter your FTP credentials to proceed. If you do not remember your credentials, you should contact your web host.

Connection Type

Irmã Petra: Papa Francisco escolhe no Lava-pés os excluídos dos excluídos

 em Igreja em Saída

Interna lava pesNa Quinta-feira Santa, 2 de abril, o Papa Francisco vai ao complexo penitenciário de Rebibbia, na periferia de Roma, para presidir a Missa da Ceia do Senhor, com o rito do Lava-pés, que abre o Tríduo Pascal.

Na Igreja do Pai-Nosso, dentro do complexo penitenciário, o Pontífice se encontrará também com 150 mulheres detentas, das quais 15 mães com seus filhos.

“O testemunho do Papa Francisco é mais uma vez excepcional, porque ele escolhe no Lava-pés os excluídos dos excluídos, e mais ainda porque escolhe as mulheres, as mães com seus filhos que estão encarceradas, pois como se sabe, as mulheres, ainda mais, sofrem nos cárceres. O Papa Francisco quebra os paradigmas ao sair e ir ao encontro dessas pessoas que sofrem tanto nesses porões da humanidade”, afirmou em entrevista à rádio Vaticano a Irmã Petra Silvia Pfaller, coordenadora nacional da Pastoral Carcerária para a Questão da Mulher Presa.

Essa não é a primeira vez que o Pontífice preside a Missa da Ceia do Senhor no cárcere. Em 2013, pouco tempo depois de ser eleito, a prisão para menores de Casal del Marmo recebeu Francisco. No ano passado, foi a vez do Centro Santa Maria da Providência, que acolhe enfermos. Desta vez, o Papa lavará os pés de 12 detentos, seis mulheres e seis homens, dos quais um é brasileiro.

O gesto de Francisco também leva a refletir sobre a situação das prisões em todo mundo e de modo especial ao encarceramento das mulheres. No Brasil, segundo Irmã Petra, 35 mil mulheres estão presas e destas, 10% estão com seus bebês nos cárceres.

“Infelizmente, não existem estabelecimentos prisionais adequados. A grande maioria fica em presídios masculinos, presídios velhos adaptados para as mulheres, em celas precárias, sem berçário, expostas a toda a violência dos cárceres”, avalia Irmã Petra. “Outra problemática é que os pais, homens, dessas crianças abandonam as mulheres, elas não têm muito apoio. Estão em abandono e com precariedade no atendimento à saúde, seja de pré-natal ou pós-parto”, detalha.

Na avaliação da Irmã, o Poder Judiciário pode ser mais sensível à situação dessas mulheres. “As leis brasileiras atendem à mulher grávida, prevendo a prisão domiciliar, por exemplo, mas infelizmente, o poder judiciário e o Ministério Público, muitas vezes, não reconhecem esse direito e acham que uma mulher grávida é muito perigosa para a sociedade”.

Por fim, Irmã Petra acredita que na Semana Santa e na Páscoa é oportuno refletir sobre o perdão a quem está preso. “Nós acreditamos em um Deus de amor, em um Deus pai que perdoa. Imaginando a cena de Jesus na cruz, sendo torturado, sendo morto, passando por um processo ilegal, o que ele falou na cruz? Ele falou ‘Pai, perdoa-lhes, porque não sabem o que estão fazendo’. Essa cena me toca muito e acho que é uma grande responsabilidade nossa, de cristãos, de perdoar, de restaurar a paz”.

CLIQUE E OUÇA A ENTREVISTA NA RÁDIO VATICANO

Recommended Posts

Deixe um comentário