Connection Information

To perform the requested action, WordPress needs to access your web server. Please enter your FTP credentials to proceed. If you do not remember your credentials, you should contact your web host.

Connection Type

Irmã Alessandra Santana, da PCr de Goiânia, conta experiências de visitas às prisões

 em Igreja em Saída

0604 IRMA GOIANIA“Visitar o cárcere tem me ajudado a ‘desromantizar’ o mundo, porque ao entrar em contato com a pessoa privada de sua liberdade, independentemente do que tenha cometido ou do que é acusada, sei que ela é um ser criado por Deus e, por isso, merecedor/a do todo afeto e atenção, e que deve ter a sua dignidade respeitada de forma incondicional”, relata a Irmã Alessandra Santana, Congregação de Santa Paulina, agente da Pastoral Carcerária na Arquidiocese de Goiânia. A íntegra do texto segue abaixo.

Desromantizar’ o mundo sem perder o romantismo

Diante das experiências novas que tenho feito na Pastoral Carcerária, estou passando a ter uma visão mais crítica das mazelas da sociedade.

Visitar o cárcere, um lugar deteriorado, sem luz, sem vidas respeitadas e sem alegria tem suas consequências. No meu caso, tem me ajudado a perceber que a vida plena clama muito mais do que eu percebia, pois a dignidade da pessoa humana está sendo rompida de maneira brutal. Ao visitar um cárcere, saímos diferentes, saímos com “cheiro de ovelha” sofrida e não conseguimos sair sozinhas/os. A sensação é que vem conosco cada pessoa que ficou presa. E é como se nós também ficássemos presas/os lá com elas.

Visitar o cárcere tem me ajudado a “desromantizar” o mundo, porque ao entrar em contato com a pessoa privada de sua liberdade, independentemente do que tenha cometido ou do que é acusada, sei que ela é um ser criado por Deus e, por isso, merecedor/a do todo afeto e atenção, e que deve ter a sua dignidade respeitada de forma incondicional.

Gosto de escrever poemas, mas percebi que não faz sentido escrever palavras bonitas se elas não forem recheadas de senso crítico e de visão holística da realidade.

“Desromantizar” o mundo sem perder o romantismo é fazer a experiência de mergulhar num contexto de luta, de dor e de sofrimento e dele sair disposta/o a semear a cultura do cuidado mútuo e do amor que vai além dos erros que qualquer pessoa tenha cometido. Não nos esqueçamos que todas/os erramos. É buscar a vida em abundância e a dignidade para quem perdeu a liberdade e, quem sabe, tenha perdido também a capacidade de sonhar e de ver novos horizontes.

Para muitas/os, a utopia do “mundo sem cárcere” pode parecer pretenciosa e irrealizável. Mas por que não sonhar com a convivência humana de forma harmoniosa?

Por que não acreditar que a pessoa pode se redimir e se reconciliar com as outras pessoas e com a sociedade sem ser privada da sua liberdade?

Por que não sonhar em ver no lugar dos presídios, escolas de qualidade e espaços que promovam o ser humano?

Por que não sonhar com o fim das torturas, da violência e da submissão?

Quando os muros dos presídios caírem, teremos chegado à Terra prometida, teremos compreendido que o aprisionamento não é o caminho, e que a solução está em políticas sociais efetivas e de qualidade.

Concluo meu pensamento com um refrão do Zé Vicente, que embora esteja distante de acontecer, nos impulsiona a continuar sonhando: “Quando as cercas caírem no chão, quando as mesas se encherem de pão, eu vou cantar. Quando os muros que cercam os jardins, destruídos, então os jasmins vão perfumar…”.


FAÇA PARTE DA PASTORAL CARCERÁRIA

Recommended Posts

Deixe um comentário