Connection Information

To perform the requested action, WordPress needs to access your web server. Please enter your FTP credentials to proceed. If you do not remember your credentials, you should contact your web host.

Connection Type

Carta da Assembleia 2016: O Sonho de Deus: um mundo sem cárceres!

 em Igreja em Saída

ASSEMBLEIA NACIONALAo final da assembleia nacional da Pastoral Carcerária, os coordenadores e coordenadoras dos estados e a coordenação nacional escreveram uma carta reafirmando o compromisso da Pastoral: “O Sonho de Deus: um mundo sem cárceres!”.

Esse compromisso firmado reforça o tema da própria assembleia desse ano, que teve como lema: “Cristo nos libertou para que sejamos verdadeiramente livres!”. A assembleia aconteceu em Brasília de 25 a 27 de novembro e reuniu cerca de 30 pessoas, coordenadores e coordenadoras da Pastoral Carcerária em todo o Brasil.

Leia mais:

No primeiro dia da assembleia, agentes da Pastoral Carcerária refletem sobre sua identidade e missão como Pastoral Social 

Carta da PJ para assembleia da Pastoral Carcerária

Carta da Assembleia de 2016 da Pastoral Carcerária

O Sonho de Deus: um mundo sem cárceres!

“Cristo nos libertou para que sejamos verdadeiramente livres.” (Gálatas 5,1)

Nós, representantes das coordenações estaduais e da coordenação nacional da Pastoral Carcerária do Brasil, reunidas e reunidos em assembleia nacional em Brasília entre os dias 25 e 27 de novembro de 2016, reafirmamos o nosso objetivo pastoral, em total sintonia com o Evangelho, que é o permanente trabalho em busca da promoção da dignidade humana e de um mundo sem cárceres.

Em comunhão com o Papa Francisco, preconizamos uma “Igreja em saída” e permanentemente junto às pessoas pobres e marginalizadas. Irmanados com as demais pastorais sociais e pastorais da juventude, nos comprometemos com a transformação das estruturas sociais a partir das necessidades das/os pobres e de todas/os que vivem e sobrevivem nas periferias sociais e existenciais. Nossa caminhada, pela defesa da vida de todas as pessoas pobres, se orienta pelo imperativo de cuidar de toda a criação, a nossa “Casa Comum”.

Frente ao encarceramento massivo e às torturas e violações da dignidade humana inerentes às prisões e a todo o sistema penal, já denunciadas há quase duas décadas quando da Campanha da Fraternidade de 1997, “Fraternidade e os Encarcerados”, ocorrida poucos anos após o maior massacre da história do sistema prisional brasileiro, conhecido como Massacre do Carandiru, em 2 de outubro de 1992, nos posicionamos de forma contundente pelo necessário desencarceramento e desmilitarização das polícias, da política e da vida.

Ao fazermos memória da Campanha da Fraternidade/97, com uma população carcerária quatro vezes maior, e oito vezes mais mulheres aprisionadas, o Brasil não tem como esconder quase setecentas mil pessoas presas, das quais a quase metade é de presos provisórios, revelando a insustentável crueldade deste sistema.

À luz da espiritualidade de Lucas 4, 16-21.29, onde o Jovem Nazareno, também sentenciado, preso, torturado e assassinado, apresenta seu programa de vida pela libertação das/os oprimidas/os e presas/os, a Pastoral Carcerária, como Pastoral Social da Igreja comprometida com um mundo livre de prisões, reafirma sua identidade de ser uma pastoral em saída; de que a unidade prevalece sobre o conflito, não evitando-o, mas enfrentando-o, eis que gerador das necessárias transformações estruturais; da importância de nossa permanente articulação com os movimentos sociais; da preponderância da realidade sobre a ideia; e comprometidos com a Pastoral de Conjunto.

De forma profética, na comemoração dos 300 anos do encontro da imagem de Nossa Senhora, seguimos guiados pela Mãe Aparecida, nossa mãe negra libertadora das opressões e correntes, revelada no Magnificat como mãe das/os pobres, renovamos nosso compromisso com o sonho de Deus, um mundo sem cárceres.

Brasília, 27 de novembro de 2016

Pastoral Carcerária

Leia a íntegra em PDF

Últimos posts

Deixe um comentário