Connection Information

To perform the requested action, WordPress needs to access your web server. Please enter your FTP credentials to proceed. If you do not remember your credentials, you should contact your web host.

Connection Type

‘Há inúmeros relatos de pessoas sofrendo revista vexatória’, garante Marcelo Naves

 em Combate e Prevenção à Tortura

Interna fim revista vexatoriaA regulamentação da aplicação da lei que veda a revista vexatória em São Paulo, sancionada em agosto de 2014, já deveria ter sido feita em fevereiro, mas até agora não há indicativos que o governo estadual fará algo. Essa situação tem ocasionado a manutenção dos procedimentos ilegais de revista íntima, conforme detalhou a Rádio Brasil Atual, em recente reportagem.

 

CLIQUE O OUÇA A REPORTAGEM COMPLETA

 

“A lei não é respeitada no Estado de São Paulo. Na primeira semana logo após a sanção da lei, houve uma revista menos violenta e relatos de não ter ocorrido a revista íntima. No entanto, de lá para cá, a revista vexatória tem sido sistemática, não houve nenhum tipo de avanço em outras formas de revista, e, por conta disso, há inúmeros relatos de pessoas que continuam sofrendo a revista vexatória, especialmente mulheres – esposas, mães, e companheiras dos presos -, que são as que mais fazem visitas e as que mais sofrem com as revistas”, afirmou, na reportagem, Marcelo Naves, vice-coordenador da Pastoral Carcerária na Arquidiocese de São Paulo.

Pela lei em vigor, a revista vexatória seria substituída por scanners corporais, capazes de detectar objetos proibidos em presídios e centros de detenção, algo que ainda não foi viabilizado, mas que segundo especialistas ouvidos pela Rádio Brasil Atual não é um empecilho para que cessem desde já as revistas vexatórias, pois há estados que vedaram tal prática mesmo sem instalar novas tecnologias de detecção de objetos ilícitos.

A Secretaria de Administração Penitenciária de São Paulo abriu neste mês a primeira licitação que trata da locação e manutenção do serviço de cinco scanners para quatro unidades da capital, que juntas abrigam 2,5% de toda a estrutura prisional paulista, hoje composta por 161 unidades prisionais, todas, segundo a Secretaria, dispõem de aparelho de raio-x e detectores de metal de alta sensibilidade.

No dia 16, a Defensoria Pública ingressou com um mandato de segurança para que uma unidade prisional do interior paulista não submeta um familiar de preso à revista íntima. Se o Estado seguir descumprindo a lei, o órgão entrará com um pedido de punição na Corte Interamericana de Direitos Humanos.

Recommended Posts

Deixe um comentário