Connection Information

To perform the requested action, WordPress needs to access your web server. Please enter your FTP credentials to proceed. If you do not remember your credentials, you should contact your web host.

Connection Type

Evento em universidade gaúcha discute a situação dos presos afrodescendentes

 em Combate e Prevenção à Tortura

Evento_UnisinosO auditório Maurício Berni no campus São Leopoldo da Unisinos, no Rio Grande do Sul, recebeu em 8 de abril o seminário “O Afrodescendente no Sistema Carcerário Brasileiro”, organizado pelos projetos sociais Chance e Neabi, como parte das atividades da Década Internacional dos Afrodescendentes, criada pela ONU, com o objetivo de discutir a situação dos afrodescendentes no cárcere a partir da realidade brasileira.

“O objetivo dessa atividade é promover uma reflexão dos participantes sobre essa temática. Esse debate sobre os diferentes lugares que o negro ocupa, ou é colocado na sociedade, é que temos que questionar. Discutir sobre o afrodescendente e o sistema carcerário traz para luz o debate sobre as razões de um grande número da população negra estar, hoje, sendo privada de sua liberdade”, pontuou a psicóloga e integrante do Neabi, Gláucia Fontoura.

Três palestrantes falaram sobre o assunto: o educador social e integrante do Neabi, Jorge Mendonça, o coordenador do curso de Direito da Unisinos, Guilherme de Azevedo, e o coordenador do Chance, Alexandre Dargél.

O educador social apresentou o impacto da violência na juventude negra. “Nosso recorte hoje é a questão étnico-racial. Por isso é importante destacar que na nossa região, poucos jovens negros cumprem medidas socioeducativas, cerca de 20% dos atendimentos”, afirmou Mendonça, que disse ainda ser preciso investigar o porquê de a maioria das pessoas presas serem negras.

Já Guilherme Azevedo lamentou o não reconhecimento do racismo no Brasil. “Há no país um não reconhecimento do trauma racial, do prejuízo que isso traz para os afrodescendentes. O racismo tem ainda um papel encarcerador, que torna a população negra mais vulnerável. Hoje, jovens negros morrem vítimas de homicídios, 13 vezes mais do que jovens brancos da mesma idade, e esse dado revela sérias questões de desigualdade”, ponderou Azevedo.

O coordenador do Chance falou sobre o acolhimento dos egressos no projeto, e trouxe dados sobre o sistema carcerário brasileiro e o seu impacto no preconceito racial. “No Brasil, a situação dos afrodescendentes no cárcere não se diferencia da situação dos brancos. O que há é uma maior quantidade, proporcionalmente, de afrodescendentes encarcerados. O último censo realizado no sistema penitenciário, em junho de 2014, aponta 67% de afrodescendentes presos”, enfatizou. Segundo Dargél esse dado é preocupante porque o mesmo censo aponta que a população brasileira é composta de 51% de afrodescendentes, demonstrando a maior incidência da população negra em presídios.

OUÇA ENTREVISTAS DE MENDONÇA E DARGÉL NO UNIVERSO UNISINOS

Fonte: Portal Unisinos

 

FAÇA PARTE DA PASTORAL CARCERÁRIA

Recommended Posts

Deixe um comentário