Connection Information

To perform the requested action, WordPress needs to access your web server. Please enter your FTP credentials to proceed. If you do not remember your credentials, you should contact your web host.

Connection Type

‘Nem redução, nem Fundação, por uma vida sem grades’

 em Agenda Nacional pelo Desencareramento

Interna_2_de_OutubroPelas ruas do centro de São Paulo, em 2 de outubro, centenas de pessoas atenderam ao convite da Rede 2 de Outubro, da Casa Mafalda, do Coletivo Desentorpecendo a Razão, do Movimento Passe Livre SP, do Projeto Comboio, da Pastoral Carcerária, do Coletivo de Galochas, do Grupo Teatral Parlendas e do Coletivo Mopat, e participaram do Ato em memória pelos 23 anos do Massacre do Carandiru.

“Neste 2 de outubro, completam-se 23 anos do Massacre do Carandiru. Após uma rebelião no pavilhão 9 da penitenciária originada de uma briga entre alguns presos, cerca de 300 policiais militares invadiram a casa de detenção do presídio e exterminaram (no mínimo) 111 homens desarmados e rendidos. O Massacre do Carandiru não é de um caso isolado. A chacina faz parte da política prisional brasileira, a mesma que submete os detentos a condições de vida degradantes e assédio constante dos agentes prisionais, tanto em seus presídios adultos quanto nas Fundações Casa”, apontou a carta convocatória para o ato.

Com uma grande faixa com os dizeres “Nem redução, nem Fundação, por uma vida sem grades”, os participantes ganharam as ruas do centro, a partir do largo São Francisco, e fizeram diferentes intervenções. Em uma delas, sob um faixa “Nossos mortos têm voz”, velas foram acessas junto a fotos de pessoas vitimadas pela violência.

Em outra intervenção, todos os participantes disseram juntos que seguem a resistir à violência institucionalizada pelo Estado. “Se eles formalizam a barbárie, nós internacionalizamos a resistência”.

Também se recordou que após o ocorrido na Casa de Detenção do Carandiru, em 1992, outros episódios de violência se seguiram, como o da Candelária, em 93; da Baixada Fluminense, em 2005, os crimes de maio, em 2006; os do Complexo do Alemão, em 2007; os do Morro da Providência, em 2008; a Chacina da Maré, em 2013; e em 2015 as chacinas na quadra da Pavilhão 9 e nas cidades de Osasco e Barueri.

“O número de chacinas feitas pelo Estado, que diz que é democrático, que diz que respeita nosso direito de viver, cresce cada dia mais”, enfatizaram os participantes.

Também se alertou para a violação dos direitos mais básicos dos encarcerados, que, em sua enorme maioria, sempre estiveram à margem do processo civilizatório brasileiro: são os jovens, os pretos, os pobres e periféricos. “Nas quebradas de onde saem nossos presos falta saneamento, falta creche, falta ensino e postos de saúde de qualidade. Esse mesmo Direito Penal que responde com violência aos marginalizados, no entanto, conserva intactos sujeitos como Fleury e Pedro Campos, os mandantes do Massacre do Carandiru”, consta em um dos trechos da carta de convocação para o ato.

Temas como a superlotação carcerária no Brasil, a intensificação da justiça punitiva, a redução da maioridade penal e o aumento do tempo máximo de internação nas Fundações Casa foram lembrando ao longo do ato.

 

FAÇA PARTE DA PASTORAL CARCERÁRIA

 

Recommended Posts

Deixe um comentário